Tudo sobre Cibersegurança, Segurança da Informação e Proteção Digital.

A segurança digital é uma frente da segurança que atua com tecnologias, ações e soluções para proteger as informações no espaço digital. Suas ações implicam em medidas de prevenção, mitigação e recuperação diante das ameaças cibernéticas.

Existe uma economia no mundo digital. As operações das empresas acontecem 100% online ou utilizando muito desse espaço, tornando os dados um ativo valioso e muito vulnerável.

E como as empresas podem proteger suas informações, mantendo as engrenagens dessa economia ativas? Um dos passos importantes é possuir um bom plano de segurança digital.

Neste artigo você encontrará os principais passos para elaborar um plano eficaz.

O que é plano de segurança digital?

O plano de segurança digital são as estratégias e diretrizes adotadas por uma empresa para lidar com as ameaças do mundo digital, registradas em um documento.

Confira agora o passo a passo para a elaboração de um.

Como elaborar um plano de segurança digital?

Conheça os ativos e o cenário empresarial

Antes de elaborar um plano de segurança digital é necessário conhecer os ativos, entendendo a prioridade das informações e ativos, quais são os mais críticos e que sustentam os processos da organização.

O mapeamento de ativos é o processo de identificar e catalogar os bens físicos e tecnológicos da empresa, avaliando: localização, nível de utilização, usuários que acessam e o prazo de vida útil.

O objetivo do mapeamento de ativos é garantir que todas as etapas do plano de segurança digital sejam executadas com sucesso, e que as soluções e ações atendam as demandas da empresa. Sendo assim, deve ser realizado com muito critério.

Mapeie os riscos e elabore uma política de segurança

Em seguida, é necessário mapear os riscos de segurança que a empresa possui. O mapeamento precisa ser muito bem executado, identificando os possíveis riscos para reduzir os impactos que eles poderão gerar.

O processo precisa ser realizado por um profissional de tecnologia da informação que tenha conhecimento teórico na área, orientando-se pela Norma ABNT NBR ISO/ IEC27005:2008.

Isso posto, conheça quatro etapas que devem ser consideradas no mapeamento de riscos:

  1. Diagnóstico e classificação dos riscos

A primeira etapa é conhecer e classificar os níveis dos riscos: o contexto, se estão associados a problemas de governança, falta de recursos e falhas no sistema e infraestrutura.

2. Análise de riscos

Após mapear e catalogar os riscos, é preciso avaliar a probabilidade de incidentes  e o nível de impacto que será causado na empresa, classificando e priorizando riscos, para executar testes e medidas de prevenção contra incidentes de segurança.

3. Plano de ação

A terceira etapa envolve criar o plano de ação para gerenciar as ameaças e recuperar operações, além de ações de contingência que garantam o funcionamento da empresa.

4. Plano de Comunicação

Por fim, é fundamental elaborar um plano de comunicação sobre as ações e medidas para os administradores, gestores e colaboradores da organização.

Confira mais dicas em nosso artigo completo sobre gerenciamento de risco:

Gerenciamento de Riscos em Segurança da Informação: Aprenda TUDO!
O Gerenciamento de Riscos em Segurança da Informação é uma frente de trabalho específica que tem por objetivo identificar os possíveis riscos e reduzir os impactos negativos que eles podem causar, permitindo o tratamento ou aceitando seus efeitos, que por via de regra acarreta em prejuízos financeir…

O mapeamento de risco será uma peça fundamental para a política de segurança. A política de segurança da Informação (PSI) é um documento que estabelece diretrizes técnicas e boas práticas sobre a segurança dos dados de uma empresa.

A PSI é baseada na tríade da segurança da informação: confidencialidade, integridade e disponibilidade. Descubra os 5 passos para criar uma política de segurança da informação.

Executando o plano de segurança digital

Trabalhe a segurança em camadas

Grande parte da eficácia na execução de um plano de segurança digital, concentra-se nas estratégias e soluções utilizadas. Neste cenário, trabalhar a segurança em camadas pode ser muito útil, considerando a prevenção, mitigação e recuperação de riscos de segurança.

A segurança em camadas é fundamental, pois as ameaças cibernéticas e falhas encontram-se em diversos níveis na operação de uma empresa. Além disso, todos os dias cibercriminosos exploram vulnerabilidades e novos tipos de ataques.

Conheça os pontos para trabalhar segurança digital em camadas

  • Controle de acessos e permissões

Começando pelo gerenciamento de usuários, suas permissões de acesso aos dados, sistemas, dispositivos, aplicativos, servidores de armazenamento, etc. Para garantir a segurança, esse processo é executado em três etapas:

Autenticação

Nessa primeira fase o usuário precisa provar sua identidade. Normalmente, é feita uma checagem de 2 etapas, para determinar se o acesso ao sistema será liberado. Como ocorre no internet banking, quando inserimos uma senha e depois recebemos um código para validação do login.

Autorização

A autorização tem a função de especificar direitos de acessos de cada usuário a determinados recursos do sistema, limitando de acordo com a posição de cada um na empresa.

Auditoria

Já a auditoria é a coleta dos históricos de uso dos recursos tecnológicos de cada usuário, em tempo real. Através desses dados é possível realizar verificações e acompanhar ações suspeitas por parte de usuários que possuem permissões.

  • Proteção na rede

Boa parte dos ataques cibernéticos ocorrem através de ameaças externas. Por isso, uma segurança de camadas garante proteção contra invasões e ameaças que colocam a operação das empresas em risco.

A camada de segurança na rede também protege contra ameaças internas, impedindo acessos inseguros e inapropriados.

O firewall é a solução utilizada para realizar essas funções, efetuando o controle de banda, analisando, autorizando, bloqueando e priorizando o tráfego. Através dele também é possível identificar, notificar, isolar e eliminar spywares, vírus e malwares.

Descubra mais sobre configurações do firewall e como evitar vulnerabilidades na rede

  • E-mails e aplicações

É fundamental garantir a segurança das aplicações, utilizando softwares que sejam confiáveis e constantemente atualizados, protegendo a rede em níveis de endpoint.

Os e-mails também precisam de segurança, já que o número de fraudes e ataques através de e-mails corporativos é gigante. Isso significa: proteger os hardwares dos usuários, impedindo que dados sigilosos como senhas e credenciais sejam coletados.

Nessa camada, é necessário utilizar soluções anti-spam e anti-phishings, capazes de bloquear essas ameaças das caixas de e-mails dos colaboradores.

  • Dispositivos e usuário final

O usuário final é sempre o elo mais vulnerável em qualquer organização. Por isso, é imprescindível a utilização do antivírus nas máquinas e de uma VPN - Rede Virtual Privada de qualidade para cuidar dos acessos remotos.

E claro, a conscientização e treinamento de colaboradores para adotar um comportamento digital consciente, além de reconhecer ameaças e reportá-las aos responsáveis pela segurança.

Estabeleça uma política de backup

O último elemento do plano de segurança digital envolve a recuperação. O backup é a tecnologia que guarda todos os dados da operação, com atualizações constantes, podendo ser horárias ou diárias.

A política de backup é o documento que direciona as diretrizes sobre o armazenamento de dados. Ele estabelece instruções de funcionamento e parâmetros para execução do backup.

É importante que adotar mais de um tipo de backup, garantindo mais otimização na gestão da política. Uma observação importante: não se esqueça que todas as medidas e ações precisam ser documentadas adequadamente.

Saiba como montar um plano de recuperação de desastres:

Disaster Recovery: Saiba como elaborar um plano para sua empresa!
Um desastre, independente de sua origem, é uma situação que nenhuma uma empresa quer enfrentar. Em geral, um cenário de desastre é consequência da exploração de falhas e vulnerabilidades, combinadas em estratégias (no caso de ataques e crimes), resultando em grandes prejuízos. Essas falhas e vulne…

Urgência e constância do plano

Ainda não chegamos na metade do ano de 2021 os ataques cibernéticos estão a todo vapor. O especialista Marco DeMello, CEO da PSafe afirma:

“Mundo vive pandemia de ciberataques e Brasil está despreparado.” BBC - Brasil

Consequentemente, o número de incidentes de vazamento de dados também está sendo alarmante. Em apenas quatro meses, ocorreram mais de cinco episódios de mega vazamentos: LinkedIn, Clubehouse, Facebook, Poupatempo e Trello.

O cenário pede urgência na área da segurança e privacidade, como uma questão de sobrevivência para as empresas. Diante disso, é importante trabalhar também a constância nas ações de proteção e nesse ponto, o melhor caminho é contar com um parceiro estratégico.

Aliando soluções de segurança a uma estratégica eficaz para a escalabilidade do seu negócio, o Starti Partners é uma oportunidade para você, prestador de serviços de TI, alcançar crescimento e lucratividade no mercado.

Clique agora no banner fale com um de nossos especialistas.

banner-parceria

Conclusão

Quando bem elaborado, um plano de segurança pode garantir a proteção de empresas no ambiente digital, cuidando dos ativos mais valiosos: os seus dados.

Agora você conhece os passos para elaborar um plano de segurança digital.

Aproveite e siga-nos em outras plataformas e descubra mais conteúdos relevantes:

YouTube | Facebook | Instagram | LinkedIn | Podcast Távola Redonda | Canal no Telegram

Fontes

ADDEE | GAT  | CCM