Os aplicativos instalados em nossos celulares são pequenos exemplos de como tudo está em constante atualização.

Na telinha, podemos acompanhar a evolução de cada sistema, mas no dia a dia mal percebemos as transformações que passamos e o quanto nossas atividades tomam novas proporções, gerando cada vez mais dados.

A velocidade é tamanha, que chega até a ser difícil de acompanhar.Na esfera empresarial, os números são ainda maiores, são milhões de novas informações geradas diariamente ao redor do mundo e, assim, a segurança na internet torna-se essencial para não cair em mãos erradas e colocar em risco a saúde e reputação de um negócio.

Muita gente tem a errônea ideia de que grandes e famosas empresas não passam por isso – e é aí que se enganam. Não só pequenos e médios negócios sofrem com a falta de segurança na internet.

Para ilustrar aqui a importância de proteger dados e informações gerados dentro de uma organização, elencaremos alguns dos maiores casos de vazamentos de dados da década, em que as empresas e seus clientes foram prejudicados. Confira!

Kickstarter

No início de 2014, o site de financiamento coletivo Kickstarter foi invadido. Os invasores tiveram acesso a algumas informações pessoais dos usuários, como nome completo, e-mail e senha. A empresa veio a público se retratar e pedir que todos trocassem esta, por motivo de segurança.

Na ocasião, o CEO da empresa declarou que os invasores só conseguiriam acessar senhas muito fracas e que, por utilizarem combinações encriptadas pela função SHA-1, dificilmente teriam acesso a informações importantes.

Nasdaq

O mercado de ações norte-americano foi invadido por cinco hackers russos e um ucraniano. A quadrilha desviou mais de 160 milhões de dólares de cartões de crédito e débito de mais de 800 mil contas distintas.

O ataque, que foi feito através da invasão de servidores utilizados pela Nasdaq, atingiu bancos, redes de lojas e empresas de pagamentos. E o mais curioso, a ação dos hackers ilustra um pouco da articulação em cima da segurança na internet, já que o ataque durou alguns anos – entre 2005 e 2012!

Adobe

Em 2013 a empresa foi hackeada e teve os dados de mais de 38 milhões de usuários vazados. Dentre eles estavam logins, senhas e até mesmo cartões de créditos em alguns casos. Por sorte, essas informações estavam criptografadas.

Evernote

Assim como a Adobe, a empresa teve a segurança na internet afetada, tendo um dos servidores derrubado em 2013. Com a invasão, mais de 50 milhões de usuários foram obrigados a trocar suas senhas. Porém, como os dados estavam criptografados, os estragos não foram maiores. Também não houve roubo de informações relativas a pagamentos.

PlayStation

Os amantes de videogame sabem o quanto é ruim ficar longe dos consoles.

Em 2011, após um ataque aos servidores da PS Network, a rede online ficou fora de serviço por mais de 40 dias, afetando mais de 77 milhões de usuários.

Além disso, desconfia-se que informações como logins, senhas e até mesmo números de cartões de crédito tenham sido expostos. Para se desculpar com os jogadores, a Sony os presenteou com filmes, games e outros itens – mas, aparentemente, não conseguiu acalmar seus ânimos na época.

AOL

A segurança na internet não é apenas para prevenir hackers.

No ano de 2004, um engenheiro de software da gigante AOL roubou e vendeu para spammers informações com e-mails e nomes de usuários de aproximadamente 92 milhões de clientes.

O resultado: mais de 7 bilhões de e-mails indesejados foram enviados para essa lista. No fim, o responsável pelo golpe foi condenado à mais de um ano de prisão.

Entendeu porque é tão importante deixar a segurança na internet em dia na sua empresa? Independente do porte ou segmento do negócio, ninguém está a salvo de ataques.

Por isso, não perca tempo e proteja seu patrimônio – afinal, a informação é um ativo importante e que vale dinheiro, não é mesmo?

Você já conhecia a história desses grandes ataques?

Sua empresa ou negócio já foi prejudicado pela falta de segurança na internet? Compartilhe suas experiências conosco através dos comentários.