Já estamos tão acostumados a associar a tecnologia da informação a uma ciência exata e prática que às vezes nos limitamos ao pensar em todas as suas potencialidades.

O que temos visto, atualmente, é que a tecnologia da informação está aplicada em diversos e diferentes setores, segmentos, projetos, sempre levando soluções que proporcionam agilidade e facilidade às pessoas.

As pessoas são os principais negócios da área de TI e é importante termos isso em mente. Estamos em tempo de tirar o paradigma da TI dos códigos e partir para um novo conceito.

Por isso, hoje nosso artigo é dedicado a TI nos negócios e projetos sociais.

Você sabe o que são negócios sociais?

Um negócio social não deixa de ser um projeto social, mas sua diferença é que ele funcionará como qualquer outra empresa. Esse negócio também vai gerar lucros, ao mesmo tempo em que gera impacto socioambiental positivo. Ou seja, sua atividade principal beneficia pessoas.

Esses empreendimentos focam em soluções ou minimizações de problemas coletivos e é justamente esse objetivo que deve gerar demanda e lucro. Aqui, viabilidade econômica e preocupação social e ambiental possuem o mesmo peso no plano de negócios.

Segundo o Sebrae, um negócio de impacto social considera:

  • O trabalho em rede, fazendo parcerias de forma a fortalecer e ampliar o impacto da atuação do negócio;
  • O combate ao trabalho escravo, forçado ou infantil;
  • O cuidado com a cadeia produtiva (seleção e avaliação dos fornecedores);
  • O gerenciamento do impacto ambiental;
  • A articulação com as políticas públicas.

É nesse cenário que encaixamos a tecnologia social, que prevê o empoderamento dos usuários na concepção e gestão de mecanismos que possam melhorar sua condição de vida.

Como a TI se envolve?

A vontade de fazer o bem pode sim estar relacionada ao lucro. Um grande exemplo de negócio social com atuação de TI é a CDI Lan.

Ela notou que a internet no Brasil é ainda restrita e percebeu a presença de muitas lan houses em centros de convivência, conveniência e serviços nas comunidades.

A partir daí, articulou redes de lan houses comunitárias que agregam serviços de educação, inclusão financeira, entretenimento saudável, cultura e empreendedorismo.

Setores mais comuns

Existem alguns setores mais comuns para a atuação de negócios e projetos sociais, mas o que veremos é que tudo o que envolva a esfera pública pode ser melhorado com a atuação de profissionais qualificados e dedicados pela causa.

Você tem uma ideia ou quer pensar em soluções? Comece considerando essas áreas:

  • Água e Saneamento Básico
  • Artesanato
  • Cultura
  • Acessibilidade
  • Educação
  • Energia
  • Meio Ambiente
  • Turismo
  • Serviços financeiros

Como fazer sua parte agora

Não é preciso ter seu próprio negócio ou prestar seus serviços para um negócio ou projeto social para começar a fazer sua parte. A TI pode estar presente na** sustentabilidade** de um negócio por meio de outras atitudes.

Por exemplo, propondo medidas para a economia de energia e recursos, como o papel por exemplo. Em muitos casos, basta ter o material em PDF para distribuir e guardar.

Outra atitude pode vir por meio da preocupação no descarte dos resíduos e escolha dos insumos, colocando em primeiro lugar a defesa e ação consciente em prol do meio ambiente.

A TI pode ser um ativo na organização em busca de tecnologias voltadas para a sustentabilidade, assim como ter a responsabilidade de desenvolver políticas no descarte de lixo eletrônico e doação de equipamentos que não serão mais utilizados.

TI não é apenas sobre códigos e processos. Ela facilita a comunicação, o gerenciamento, a direção e controle de uma organização e ainda promove mudanças na sociedade.

Em todo o processo de aprimoramento do negócio encontraremos a TI. Mas, por enquanto, que tal fazer do seu negócio um ativo na busca pela sustentabilidade e desenvolvimento social?

Compartilhe sua história com a gente!